segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Manteiga ou margarina?


           
Não há como negar: as duas são deliciosas e deixam qualquer comida mais gostosa; seja um simples pão, um prato mais completo ou ainda um milho cozido quentinho.

Mas, afinal, quais são as diferenças entre esses dois produtos?

            Por muito tempo, a manteiga foi considerada vilã por conta da gordura saturada. Hoje, sabe-se que essa gordura, em pequena quantidade, não é tão maléfica como se achava. 

            Há tempos, tornou-se hábito adotar a margarina no lugar da manteiga porque acreditava-se que fazia menos mal por ser de origem vegetal. 

            A margarina é criticada porque em seu processo de fabricação há a hidrogenação do óleo. “O óleo vegetal não tem como virar pasta, então a indústria descobriu que, quando joga hidrogênio no óleo, ele fica com aquela textura. Além disso são adicionados branqueadores e aditivos.”

            Hoje em dia, a margarina e os cremes vegetais são obtidos através do processo de interesterificação. “Os estudos ainda são controversos em relação à saúde, mas evidências apontam que esse tipo de gordura também poderia piorar o perfil lipídico e ainda causar resistência à insulina”.

            As vantagens das margarinas são as presenças das vitaminas A, D, B2 e vitamina E. “Porém, alguns nutrientes têm como função a estabilidade oxidativa, garantindo a qualidade dos alimentos. Devido à sua ação antioxidante, a vitamina E e o beta caroteno (pró vitamina A) podem prevenir a oxidação das gorduras poli-insaturadas, impedindo a oxidação do próprio alimento. Ou seja, esses nutrientes são adicionados, não com a função de complementar a dieta da pessoa, mas para impedir que o alimento estrague rapidamente.

            A margarina é rica em Ômega 6, nutriente que se ingerido em grande quantidade aumenta os riscos de desenvolver processos inflamatórios e doenças coronárias. Essa gordura é muito maléfica à saúde, muito mais que a gordura saturada, faz um estrago muito maior nos vasos sanguíneos, eleva risco de infarto e AVC por entupir os vasos.

            Já a manteiga é um alimento de origem animal e é produzida através do leite batido. Depois de ser lavada e manuseada, adquire a forma sólida conhecida.

            A manteiga tem vitamina D, que não é encontrada na margarina. Esta, por sua vez, está isenta de colesterol, como qualquer produto derivado de óleos vegetais.

A manteiga feita a partir do leite de vacas que se alimentam de pasto e são criadas livremente oferecem vitamina K2 (importante para prevenir doenças como câncer, osteoporose e problemas de coração), CLA (um ácido graxo que previne câncer e diminui a massa gorda do corpo), butirato (um ácido graxo que tem função anti-inflamatória e auxilia a digestão) e ômega-3 (que é fundamental para a saúde, principalmente para quem já consome ômega-6 em excesso).
            Um estudo australiano acompanhou 458 homens que tiveram problemas cardíacos. Metade deles foram instruídos a diminuir o consumo de gordura saturada (como da manteiga) e aumentar o consumo de óleos vegetais ricos em gordura poli-insaturada, como margarina.   Este grupo acabou com 70% mais chance de morrer de doenças cardíacas do que o outro grupo.
             Então, sem sombra de dúvidas a resposta é: MANTEIGA! Mas atenção, tudo em excesso ocasionará mal, tenha bom senso na hora da escolha e analise os riscos e benefícios à saúde de cada alimento a ser ingerido!



Para baixar nosso e-book grátis com dicas de sucesso para a reeducação alimentar, clique aqui.
Para ver mais sobre alimentação, clique aqui
Para ver nossas matérias sobre exercícios físicos, clique aqui.
Para ver nossas matérias sobre procedimentos estéticos e fisioterapia, 
clique aqui.
Para conhecer nossas receitas saudáveis, 
clique aqui.

Nutricionista Isabela Faria Campos    
CRN-ES 13101141
Sócia e Proprietária da Clínica Espaço Nutrir. Graduada no curso de Nutrição pela Universidade Federal do Espírito Santo.
Pós graduada em Nutrição Funcional e Nutrigenômica: Implicações Práticas na Nutrição Clínica e Esportiva. Mestranda em Ciências da Saúde pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.
Nutricionista voluntária na Associação Crescer Com Viver. CRN.ES-13101141

0 comentários:

Postar um comentário