quarta-feira, 1 de junho de 2016

Cinto de estabilização na musculação - você usa?

A musculação já existe no Brasil há algum tempo, mas muitos erros ainda são repetidos e tidos como verdades. Um exemplo disso é o cinto de estabilização da lombar. Se você tem o mínimo de afinidade com o treinamento de força, provavelmente já deve ter visto muitas pessoas “desfilando” pela sala de musculação usando este belo acessório.


Mas será que ele realmente é útil? Será que todos nós devemos usar? Antes de responder a essas perguntas, vou explicar de maneira bem simples a função deste cinto.
Ele tem a proposta de aumentar a estabilização do tronco (basicamente seus músculos abdominais e musculaturas da região lombar) para que você tenha maior segurança na execução dos exercícios e consiga até mesmo usar mais cargas para treinar. E de fato ele pode aumentar a estabilização do tronco e também pode proporcionar que você treine com mais cargas em alguns exercícios.
“Que ótimo Ramon, então me diga uma marca de cinturão boa, que eu vou comprar o meu ainda hoje!”
Calma, nem tudo são flores. Apesar de realmente ter esses pontos positivos, existe uma série de outros fatores que são no mínimo, questionáveis.

Primeiro que a estabilização que é gerada ocorre apenas durante o período que você usa o cinto – ou seja, as outras 23 horas do dia você estará “desprotegido”. Além disso, vários exercícios de musculação tem exatamente a função de fortalecer e estabilizar o seu tronco; e quando você faz uso deste acessório estes músculos acabam não sendo contraídos e ativados da maneira mais eficiente. Ou seja, o que era para ajudar pode atrapalhar.
Outro ponto é que o cinto de estabilização deveria ser utilizado prioritariamente na execução de exercícios altamente complexos, com grande sobrecarga e, principalmente, em momentos específicos da sua rotina de treinos. O que acontece muitas vezes é exatamente o contrário: uso completamente indiscriminado, baixa intensidade de treino e com alta frequência de uso.
“Mas Ramon, eu sinto muitas dores na lombar e quando eu uso o cinto, consigo treinar sem sentir nada.”
Ok. De fato ele pode te ajudar nesse ponto. Mas você precisa saber que ele não vai resolver o seu problema na coluna lombar e ainda pode piorá-lo. Neste caso, procure um médico especialista e descubra qual o fator que está causando esta dor. Provavelmente será necessário um fortalecimento específico para esta região, e isso dificilmente acontecerá usando um cinturão.
Para finalizar, gostaria de frisar: o cinturão pode sim ser um acessório muito útil para treinar, mas apenas para poucas pessoas e em momentos muito específicos. Sendo assim, é mais interessante dar prioridade ao treinamento desta musculatura do que gastar dinheiro com algo desnecessário.
Se você ainda ficou com alguma dúvida, deixe sua pergunta abaixo que terei o prazer em te ajudar.
Bons treinos!

Para ver mais sobre alimentação, clique aqui
Para ver nossas matérias sobre exercícios físicos, clique aqui.
Para ver nossas matérias sobre procedimentos estéticos e fisioterapia, clique aqui.
Para conhecer nossas receitas saudáveis, clique aqui.

Ramon Luciano é graduado em educação física pela UFES/UNIROMA 2 (Tor Vergata - Itália) e atua como Personal Trainer em Vila Velha/ES. Siga @ramonluciano no instagram e no facebook.









Ao longo do meu processo de reeducação alimentar, quando perdi mais de 18kg, aprendi que organização é essencial para o sucesso! Reuni 10 dicas infalíveis de organização e planejamento em um e-book para ajudar quem quer seguir o mesmo caminho. Para baixar, clique aqui: http://eepurl.com/bN_OUv

É grátis! =)

0 comentários:

Postar um comentário